Painel Principal  :  Notícias (Histórico)  :  Universidade de C...
Notícias - Histórico
 
  Aceleradora   Bolsas & Empregos IPN   Formação  
  Geral   Incentivos   Incubadora   Laboratórios de I&DT   Notas de Imprensa   Prémios   Transf. Tecnologia e PI  
 
Universidade de Coimbra e IPN desenvolvem processo para colocar a prata a brilhar
 
Para combater o enegrecimento do metal nobre, presente em tantos objectos de função e afecto lá de casa, uma equipa do Departamento de Engenharia Mecânica e do Instituto Pedro Nunes, coordenada por Ana Paula Piedade, inventou um processo de revestimento que faz perdurar o brilho da prata.

A técnica consiste em aplicar um revestimento muito fino, a que o grupo chama ‘filmes finos’, já que têm uma espessura inferior a cinco micrómetros (cinco vezes 10 levantado a -6 do metro). Os resultados, já os conseguem avaliar com alguma precisão, reflectem-se no brilho das peças – os objectos conseguem resistir 10 anos sem enegrecer.

O processo consiste num jogo de «bilhar atómico», define Ana Paula Piedade. É uma operação complexa, que se pode resumir a um conjunto de átomos que se combinam de diversas maneiras. «Conseguimos materiais que a química e a termodinâmica tradicionais não prevêem». Essa técnica pode variar de peça para peça, o revestimento pode ser feito ‘à medida’, obedecendo às diferenças dos objectos.

A investigação de Ana Paula Piedade começou há muitos anos, quando a Associação de Industriais de Ourivesaria e Relojoaria do Norte contactou o seu departamento e o Instituto Pedro Nunes para resolver o problema, que já se reflectia nas exportações. «Isto era sobretudo notado nas exportações para o Japão e a Inglaterra, que são ilhas, onde a prata sofre de um efeito corrosivo e o enegrecimento era por demais. As pessoas pura e simplesmente tinham deixado de a comprar».

O processo de aprovação do projecto demorou, entretanto. A luz verde veio em 2005, nessa altura já só com uma empresa, que detém a patente do produto. A do invento fica na universidade.
Mas, avisa Ana Paula Piedade, fazer encomendas para arranjar as salvas lá de casa não vale. As peças podem ser revestidas de origem, antes de serem vendidas. À universidade não cabe fazer a manutenção das pratas.

Fonte: Jornal Sol
Edição: 23 de Abril de 2010
 
Inserido em 26-04-2010
Temas relacionados <Geral