Painel Principal  :  Notícias (Histórico)  :  Investigação FCTU...
Notícias - Histórico
 
  Aceleradora   Bolsas & Empregos IPN   Formação  
  Geral   Incentivos   Incubadora   Laboratórios de I&DT   Notas de Imprensa   Prémios   Transf. Tecnologia e PI  
 
Investigação FCTUC - Tecnologia permite prever ataques cardíacos
 
Um projecto de dois investigadores da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) foi o grande vencedor do Concurso Nacional de Inovação BES/TSF.

Pedro Bizarro e Diogo Guerra desenvolveram o protótipo de um sistema inovador, a nível internacional, de monitorização dos Cuidados Intensivos dos Hospitais. A tecnologia permite prever, com 24 horas de antecedência, um ataque cardíaco, indicando em simultâneo os factores que mais estão a contribuir para isso (como os níveis de potássio, de magnésio, ou plaquetas por exemplo), sugerindo ainda medidas preventivas.

O modelo venceu na categoria de Tecnologias da Informação e Serviços, e conquistou ainda o Grande Prémio Nacional da quinta edição do prémio BES Inovação, no valor de 85 mil euros.

O sistema fornece alertas clínicos personalizados por doença, idade e por paciente, analisando diversas variáveis, reduzindo ainda a geração de falsos alarmes, um avanço face aos modelos existentes. «Os actuais sistemas de monitorização não reúnem informação em tempo real e a configuração de regras é muito escassa, gerando um elevado número de falsos alarmes (por exemplo, se o doente se mexe bruscamente, é gerado um alarme), que acabam por ser ignorados. Todos os anos milhares de pacientes internados nos cuidados intensivos sofrem Enfartes Agudos do Miocárdio apesar de estarem ligados a sistemas de monitorização», explica Pedro Bizarro.

Para além disso, o modelo foi ainda pensado para permitir uma fácil utilização por médicos e enfermeiros. O investigador da FCTUC indica, no entanto, que chegar a esta solução tecnológica não foi fácil, por se tratar de «eventos altamente dinâmicos, em que podem ocorrer inúmeros por segundo». Pedro Bizarro explica que foi «extremamente complexo integrar diversas plataformas e vários modelos e encontrar uma linguagem capaz de gerir e actualizar, em tempo real, o estado dos pacientes monitorizados», bem como «ultrapassar vários problemas técnicos como a gestão de prioridades de regras ou a escolha da representação de dados que mais facilmente permite criar regras».

A tecnologia SICU foi desenvolvida no âmbito de um projecto europeu, que reúne vários investigadores e está em fase piloto, conta já com uma empresa spin-off da FCTUC, para avançar para a sua prototipagem industrial e comercialização.

Fonte: Diário de Coimbra
 
Inserido em 24-11-2009
Temas relacionados <Geral>  <Incubadora>  <Transf. Tecnologia e PI