Painel Principal  :  Notícias (Histórico)  :  Equipa liderada p...
Notícias - Histórico
 
  Aceleradora   Bolsas & Empregos IPN   Formação  
  Geral   Incentivos   Incubadora   Laboratórios de I&DT   Notas de Imprensa   Prémios   Transf. Tecnologia e PI  
 
Equipa liderada por cientista de Coimbra transforma soro do leite em alimento probiótico
 
Investigadores ibero-americanos liderados por uma cientista de Coimbra estão a desenvolver um alimento probiótico a partir do soro do leite, normalmente rejeitado para o ambiente, apesar de ser altamente poluente e o tratamento como efluente industrial ser caro.

O projecto, hoje anunciado, envolve cerca de 60 cientistas de seis países, integrados numa rede ibero-americana para a Avaliação da Factibilidade do Desenvolvimento de Novos Probióticos para a Alimentação a partir de Efluentes da Indústria de Lacticínios, denominada Novel-Probio.

Os investigadores procuram transformar o lactosoro num produto alimentar de maior valor acrescido, com características benéficas tanto para a saúde humana como para a saúde animal.

“A ideia é aproveitar o soro do leite para fazer um produto bom para a alimentação animal”, disse à Agência Lusa Andrea Gómez-Zavaglia, coordenadora geral do projecto e investigadora do Laboratório de Crioespectroscopia e Biosespectroscopia Moleculares do Centro de Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

O novo produto, ainda em fase de laboratório, será obtido através da fermentação do soro da indústria do queijo com bactérias do ácido lácteo. Pretende-se que seja comercializado em diversos países. Andrea Gómez-Zavaglia afirma que ao inserir produtos probióticos na alimentação dos animais se evita-se o uso de antibióticos no seu consumo.

O lactosoro, disse, é “altamente poluente e o tratamento como efluente industrial é um processo muito caro”. Em vários países, é utilizado em subprodutos para a alimentação humana, mas noutros é rejeitado para o meio ambiente, sendo tratado como efluente, de acordo com a investigadora.

O projecto tem a duração de quatro anos e conta com cientistas de Espanha, Portugal, Argentina, Chile, México, Brasil e Colômbia, além de quatro empresas de Portugal (Lactogal e ControlVet) e da Argentina.

Fonte: http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=26315&op=all
 
Inserido em 19-05-2008
Temas relacionados <Geral